Você está aqui
Home > Atendendo clientes > O cliente não está sempre certo

O cliente não está sempre certo

O cliente

Quantas vezes você já ouviu alguém dizer que o cliente tem sempre razão? Temos certeza que muito mais do que se pode contar em todos os dedos das mãos e dos pés. Mas será que isso é verdade? A resposta é um grande e sonoro não. Não, o cliente não está sempre certo.

Quando um consumidor passa dos limites, você e seus funcionários não são obrigados a ‘engolir’ o sapo, simplesmente por se tratar de um cliente. É claro que você deve jamais se negar a atender um cliente, pois nesse caso estaria infringindo uma lei vigente do país, no entanto, dizer alguns ‘nãos’ não é um crime.

Quando o cliente não tem razão

Um bom motivo para deixar de dar razão ao cliente é quando se trata de uma pessoa abusiva. Infelizmente, quando você trabalha com atendimento ao público, acaba encontrando pessoas que não são apenas difíceis de lidar, elas agem com condutas abusivas, que acabam dificultando a venda ou prestação de serviço.

 Cliente que quer passar na frente dos outros

Na desculpa do ‘é só uma perguntinha’ ou ‘eu estou com muita pressa’ alguns consumidores fazer de tudo para furar a fila e serem atendidos primeiro. A Legislação brasileira garante que mulheres grávidas ou com crianças de colo, idosos e deficientes tenham a preferência, se um cliente não se encaixa neste perfil, ele não pode ter tratamento prioritário.

O cliente

Clientes chantagistas

Outro perfil de comprador que não deve ter suas exigências atendidas é aquele que tentam fazer chantagens com sua empresa. “Se não der desconto eu não compro” ou “comprei um produto de valor X, você tem que me dar algum brinde” são algumas das frases usadas por este perfil de consumidor.

É claro que durante uma negociação é normal que o interessado peça desconto e brindes, porém sua empresa nem sempre poderá oferecer essas vantagens. Se você der um desconto maior só para manter seu cliente, vai afetar sua margem de lucro.
Dizer não nesses momentos não é algo ruim, é necessário. Sua empresa não pode ser refém de ninguém.

Se o consumidor não entender que é impossível baixar o preço, ou que não existe nenhum brinde disponível no momento, paciência, outros clientes virão.

Clientes que oprimem/maltratam vendedores

Colocam o trabalhador em uma situação delicada, pois com medo de perder o emprego, acabam sofrendo humilhações, racismo e até mesmo assédio. Como empresário, é importante que você garanta apoio ao seu colaborador, garantindo que seu estabelecimento não dê razão a um cliente que comete este tipo de constrangimento.

O cliente

O cliente que pede favores

Ajudar os outros é sempre bom, faz bem para quem recebe ajuda e, principalmente, faz bem para quem pratica a boa ação. Mas coloque uma coisa na sua cabeça: uma empresa não é uma organização não governamental.

Você vendeu um produto, mas de repente o cliente começa a pedir para reduzir a taxa de entrega; se a entrega for grátis, ele quer montagem grátis, etc. Se for um serviço, o consumidor contrata uma coisa e, quando você percebe, ele já agregou mais um monte de pedidos extras, não inclusos no pacote que foi comprado e que se tivessem sido orçados, ficariam no dobro do valor.

Cuidado com esse tipo de coisa. Pondere muito bem antes de consentir um ‘favorzinho’ e não caia na história ‘mas é só uma coisinha’. De coisinha em coisinha, sua empresa pode sair do prejuízo.

Chega de fazer todos os gostos

Para garantir um bom faturamento e conquistar a fidelidade de quem compra com você, invista em bom atendimento, treinamento de pessoal e também na qualidade do que você comercializa. Este são os pilares de apoio para o sucesso de qualquer empreendimento.

Fazer todos os gostos dos compradores não é essencial para o seu negócio. Como já dissemos, outros clientes virão. E você, já disse não a alguma exigência de cliente? Conte como foi sua experiência nos comentários!

Deixe uma resposta

Top